segunda-feira, 25 de junho de 2012

Estuda, tchê: Expoentes do Movimento Tradicionalista Gaúcho

João Cezimbra Jacques

Militar, ensaísta.
Nasceu em Santa Maria, em 13 de novembro de 1849.
Fundador do Grêmio Gaúcho, de Porto Alegre.
Publicou: Ensaios sobre os Costumes do Rio Grande do Sul, em 1883; Frases e Vocabulários de Abá-Neenga, em 1904; Assuntos do Rio Grande do Sul, em 1912; O Presidencialismo Puro: Novos ideais Políticos, em 1915; O Direito na Sociologia, em 1917, entre outros.
Um batalhador singular, pela afirmação do Tradicionalismo Gaúcho, Cezimbra Jacques organizou desfiles cavalarianos em Porto Alegre. Buscou a valorização do gauchismo, assumindo seus usos e costumes. É Patrono do Tradicionalismo Gaúcho. Pioneiro da afirmação gaúcha.

João Simões Lopes Neto

Jornalista, teatrólogo, contista, folclorista.
Nasceu em Pelotas, em 09 de março de 1865.
Fundou a União Gaúcha, em Pelotas.
Proferiu fervorosos pronunciamentos nas principais cidades do Rio Grande do Sul, pregando a valorização do gauchismo, seus usos e costumes.Vinha em socorro dos ideais de João Cezimbra Jacques.
Deixou uma rica obra literária, destacando-se: Cancioneiro Guasca, de 1910; Contos Gauchescos, de 1912; Lendas do Sul, de 1913 e Casos do Romualdo, de 1914.

João Carlos Paixão Cortes

Pesquisador, folclorista, cantos, ensaísta.
Nasceu em Santana do Livramento, em 12 de julho de 1927.
Ainda jovem estudante, numa iniciativa pioneira, liderou a fundação do Departamento de Tradições Gaúchas do Grêmio Estudantil do Colégio Júlio de Castilhos, de Porto Alegre. Acendeu a primeira Chama Crioula, naquela Semana Farroupilha de 1947. Esse movimento estudantil, liderado por Paixão Cortes e Barbosa Lessa, unindo-se a outro, comandado por Glaucus Saraiva e Hélio José Moro, fundou em 1948, o "35 Centro de Tradições Gaúchas", o primeiro CTG organizado.
Paixão Cortes redescobriu e retomou grande parte das danças gaúchas e suas coreografias, percorrendo, com Barbosa Lessa, todo o Rio Grande do Sul, Argentina e Uruguai. Em 1956, em parceria com Barbosa Lessa, publicou o Manual de Danças Gaúchas, verdadeiro guia do gênero, e com a mesma participação, em 1975, publicou Danças e Andanças da Tradição Gaúcha.
De bela obra de Paixão Cortes, destacamos: Festanças na Querência, de 1959; Terno de Reis e Cantigas do Natal Gaúcho, de 1960; Gaúchos de Faca na Bota - Uma dança Alemã no Folclore Gauchesco, de 1966; Tradição e Folclore do Sul, de 1964; Folclore Gaúcho, Festas, Bailes, Música e Religiosidade Rural, de 1984; São João na Tradição Gaúcha, de 1986; 
Compositor e cantor, com muitas músicas conhecidas pelo Estado do Rio Grande do Sul. Realiza um belo trabalho de pesquisa. Contribui significativamente com o engrandecimento da Tradição e do Folclore Gaúcho Percorre os Centros de Tradições Gaúchas, com valiosas palestras e demonstrações folclóricas.

Glaucus Saraiva

Poeta Regionalista.
Nasceu em São Jerônimo, em 24 de dezembro de 1925.
Um dos pioneiros do Movimento Tradicionalista Gaúcho, surgido em 1947 e eclodido em 1948 com a fundação do primeiro CTG, que dirigiu como primeiro Patrão. Fundador da Estância da Poesia Crioula.
Escreveu belas poesias gauchescas, autor da Carta de Princípios do Movimento Tradicionalista Gaúcho.
Seu trabalho foi importante, em especial sua publicação do Manual do Tradicionalismo, pela livraria Sulina em 1968. É um guia orientador da organização tradicionalista gaúcha.

Barbosa Lessa

Advogado, jornalista, historiador, compositor, pesquisador, contista, romancista.
Nasceu em Piratini, no dia 13 de dezembro de 1929.
Jovem estudante, liderou o movimento que fundou o primeiro Centro de Tradições Gaúchas - o 35 CTG - juntamente com Paixão Cortes, Glaucus Saraiva e Hélio Moro. Dedicou sua vida ao Tradicionalismo Gaúcho.
Possui uma obra literária invejável. Autor de valiosos trabalhos literários, que destacamos: A Retirada de São José do Norte, de 1946; Chimarrão, história da Erva-Mate, de 1953; O Sentido e o Valor do Tradicionalismo, de 1954; Manual de Danças Gaúchas, em parceria com Paixão Cortes, em 1956; Boi das Aspas de Ouro, de 1958; Não se Assusta, Zacarias, de 1956; Os Gauxos, de 1959; Estórias e Lendas do Rio Grande do Sul, de 1960; A Rainha de Moçambique, de 1958; Nova História do Brasil, de 1967; Danças e Andanças da Tradição Gaúcha, parceria com Paixão Cortes, de 1975; Rodeio do Ventos, de 1978.
De suas obras mais recentes, destacamos: São Miguel de Humanidade, Mão Gaúcha, Rio Grande do Sul, prazer em conhecê-lo, Borges de Medeiros e Nativismo, um fenômeno social Gaúcho
Membro do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul e da Academia Sul-Riograndense de Letras. Compositor das famosas músicas Negrinho do Pastoreio, Quero-quero, Balseiros do Rio Uruguai, Levanta Gaúcho e No bom do Baile. 
Barbosa Lessa foi Secretário da Cultura, Desporto e Turismo do Rio Grande do Sul no governo de José Augusto Amaral de Souza, desenvolvendo um trabalho de divulgação e valorização da cultura gaúcha. Possuía uma reserva ecológica em Água Grande, município de Camaquã, onde mateava com erva-mate nativa, preparada em sua propriedade, sob o pilão de um manjolo, movido pelas águas de suas belas cachoeiras. A fauna e a flora de sua propriedade, ainda virgens, conservam espécies raras, vivendo em seu meio, entre as quais, muitos bugios que vivem longe do contato do homem. Suas cachoeiras, seguramente, são as mais belas do Estado. A beleza do recanto natural de Água Grande não poderia ser mais adequada para abrigar um grande homem e uma imensurável personalidade cultural gaúcha, com seu acervo cultural.
Barbosa Lessa, historiador Latino-Americano foi, com certeza, a maior autoridade do Movimento Tradicionalista Gaúcho. Em novembro de 1988 teve aprovada, no IV Congresso Internacional da Tradição Gaúcha, realizado em La Plata, Argentina, a definição geográfica da área abarcada pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho, no Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.O Círculo da Tradição preza pelo ritual do Chimarrão e a fraternidade universal.

Antonio Augusto Fagundes

Advogado, compositor, apresentador de TV, colunista de jornal. Nasceu em Alegrete, em 04 de novembro de 1934, e faleceu, aos 80 anos, em 24 de junho de 2015.
Foi dirigente do Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore, e membro da Estância da Poesia Crioula. Publicou o Circo é seu, em 1956; João Cruzeira, em 1964 e Indumentária Gaúcha, em 1977.
É autor das letras musicais, como Canto Alegretense, em parceria com Euclides Fagundes Filho. Foi apresentador do programa "Galpão Crioulo", pela RBS TV, onde divulgou por muitos anos os eventos e os valores nativistas que o Movimento Tradicionalista Gaúcho gera.
Hoje, o programa Galpão Crioulo é comandado por Neto Fagundes e Shana Müller.

*Post atualizado em 07 de novembro de 2016.

2 comentários:

  1. sugiro atualizar as informações.
    Nico faleceu, aos oitenta anos, no 24 de junho de 2015, quem apresenta o programa é Neto Fagundes com Shana Müller.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela lembrança. Acabei de atualizar!

      Excluir