quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Estuda, tchê: As bebidas do RS

Cada vez que se fala em bebida no Rio Grande do Sul a primeira que ocorre é o chimarrão. No entanto, são muitas as bebidas tradicionais entre nós, a tal ponto que se pode dizer sem exagero que nenhum outro povo tem uma variedade tão grande de bebidas como nós.

1. Mate
Há vários tipos de ate, todos preparados a base de erva (ilex paraguariensis) e quase todos usando como recipiente a cuia de porongo e uma bomba de metal, tradicionalmente de prata e ouro.
O mate mais comum é o chimarrão, amargo e quente, servido ao chiar da chaleira, quando a água alcança a temperatura de 92º.
A cuia mais comum é a de porongo, uma cucurbitácea chamada Lagenaria vulgaris. Não se faz a cuia com o porongo propriamente dito, mas sim com a sua parte superior chamada "flor do porongo". Há também cuias de madeira.
A bomba mais tradicional é a de prata, mas existe também e são muito comuns as bombas com partes de ouro e bombas mais simples, de metal branco. Uma bomba se divide em ralo, haste. pitanga ou flor, e bocal. Apenas por curiosidade, vale lembrar que os índios guaranis, inventores do mate, usavam uma bomba de taquara chamada tacuapi.

*Para mais informações sobre o mate, sugiro a leitura do livro "Cevando o Mate", de Glênio Fagundes.

2. Canha
A destilação do suco fermentado da cana-de-açúcar é conhecido em várias partes do mundo, mas no RS alcançou destaque especial na região do Litoral Norte, sendo mais famosa a cachaça "azulzinha" de Santo Antônio da Patrulha e a "marisqueira" de Torres.
Sempre se disse entre nós que canha tem que ser feita por "pelo-duro", cerveja por "alemão-batata" e vinho por "gringo".
No Rio Grande do Sul é comum se fazer cachaça de abacaxi, de mandioca, de casca de uva (chamada graspa) e até de batata-inglesa.

3. Cerveja
Os colonos alemães fazem artesanalmente a sua cerveja, e ainda hoje, apesar das festas de chopp estarem matando os Kerbes tradicionais, tanto a cerveja branca "spritzbier" como a preta "spatzbier", continuam sendo produzidas em escala familiar.

4. Vinho
O Rio Grande do Sul já produzia bom vinho, ao estilo português, antes da chegada dos italianos, em 1875. Em Rio Grande, Rio Pardo e no Alegrete, os viajantes e cronistas do século passado sempre destacavam a produção de vinho, mas foram os italianos e seus descendentes que elevaram a produção do vinho gaúcho a níveis internacionais em matéria de variedade e qualidade.

5. Café
No Estado, toma-se o café puro, o café com leite, o café preto engrossado, o café com leite engrossado, o "camargo" o café chaleira. O camargo, é serrano: bota-se tintura de café com açúcar no fundo do copo e aí se tira o leite da vaca diretamente no copo. É saboroso, mas algum estômago mais delicado, não acostumado, pode estranhar o camargo, com resultados desastrosos...

6. Chocolate
Bebida de inverno, grossa e espessa, com leite e as vezes até com gemada. É mais dos gaúchos ricos.

7. Cacau
Substitui as vezes  café da manhã. É quase um chá. Também exclusividade dos filhos estancieiros.

8. Chá
bebida preferida por muitas estancieiras, suas parentes e amigas. As famílias pobres fazem chá de tudo que é erva e folha, com intenções medicinais, normalmente.

9. Jacuba
Antiga bebida gaúcha, preparada de vários jeitos, conforme a região. Existe jacuba de mel, café, de água, de leite e de cachaça. Leva farinha de mandioca, sempre, e as vezes até queijo ralado.

10. Cafilho
É um "café" feito com grãos de milho torrados. Usadíssimo, ainda hoje.

11. Pula-Macaco
Sangria de vinho, na Serra.

12. Consertada
Cachaça fervida, com açúcar, canela e erva-doce.

13. Apôjo
É o leite final que a vaca guarda para o terneiro. É o melhor leite, que os campeiros gostam de tirar para dar às crianças.

14. Sangue
Nas carneações, sempre aparece um carneador tomando goles do sangue puro, jorrando. Disem que é um fortificante excelente.

15. Licor
Mulher campeira faz licor de tudo, com base da cachaça: licor de uva, de butiá, de pitanga, de ovo, enfim, de tudo. Os licores são bebidas exclusivamente femininas.

16. Vinho de laranja
Bebida tradicional, um dos orgulhos da cidade de Caçapava. Obtém-se da fermentação com açúcar de laranjas comuns.

17. Jerupiga ou Jurupiga
Vinho especial, tipo vinho de Porto, que se faz na Ilha Grande dos Marinheiros, no largo da cidade marítima de Rio Grande. É excelente.

18. Graspa
Aguardente da casca da uva, feita pelos "gringos" (descendentes italianos). É forte uma coisa por demais! Mas o gringo toma graspa até de manhã cedo, com o café...

19. Limãozinho
Não confundir com a brasileira "caipirinha". O limãozinho é feito com cachaça, açúcar e suco de limão, tudo bem misturado. É forte como um pataço de burro!

20. Sucos
No Rio Grande do Sul se faz suco de tudo, cada um melhor que o outro. Tem até uns espremedores de vidro, que ajudam muito. Quando não tem, espreme-se a mão, mesmo.

21. Capilé
Refresco de limão, muito popular entre os adolescentes. Põe-se um pouco de vinho tinto em um copo e logo água e açúcar a vontade. Gelado, é saborosíssimo.

22. Quentão
Bebida de inverno, com vinho, água, canela, açúcar e uma casquinha de limão ou laranja, tudo fervido e servido quente.

Adaptado de:
Curso de Tradicionalismo Gaúcho
Antonio Augusto Fagundes
4ª edição - 2002

Nenhum comentário:

Postar um comentário